Garotas e livros

As estrelas sob nossos pés - David Barclay Moore

Por 16:19 1 comentários

"Sem luzes de Natal, guirlandas, enfeites e compras de final de ano. Eu tinha decidido semanas atrás que nunca mais seria feliz outra vez."

Quando recebi o livro já tinha grandes expectativas sobre ele. Ao ler a sinopse e ver do que se tratava, quis conhecer esse garoto de doze anos que já passou por tanta coisa e que tenta buscar um caminho diferente da maioria dos jovens negros do Harlem: as gangues. E Não é fácil se manter longe de problemas e passar despercebido, mesmo quando é aquilo que você mais quer. 

livro racismo preconceitoHá um abismo na alma de Lolly Rachpaul. Aos doze anos, raiva e tristeza são tudo o que o garoto consegue sentir. Costumava ser diferente antes, quando Jermaine ainda estava por aqui. 


Mas, desde que aquele tiro que silenciou a vida do seu irmão mais velho, Lolly deixou de ser uma criança alegre. Aliás, no Harlem - um bairro típico de negros e latinos em Nova Iorque - a infância passa tão acelerada quanta uma bala. Se não estiver atento o bastante, as ruas e suas gangues te engolem.

Vivenciando o luto em tempos de ódio, como preencher as partes que ficaram faltando dentro de si? Para Lolly, a resposta pode estar em Harmonee - a cidade imaginária que está construindo com as peças de Lego que ganhou de presente da namorada de sua mãe. A arte do garoto será sua forma de resistência à crueza do mundo, e uma ponte que sustenta novas e antigas amizades.

As Estrelas Sob Nossos Pés dá voz à personagens que são poucos retratos, e que tanto precisamos ouvir: jovens pobres, expostos à desigualdade, ao preconceito e à violência desde muito cedo. Diante do luto e da luta de Lolly para ter um destino diferente do irmão, devemos ouvir e valorizar uma verdade que jamais poderemos esquecer: Vidas negras importam.


Título original: The stars beneath our feet
Autor: David Barclay Moore
Editora: Plataforma21
Ano: 2018
Páginas: 318
Adicione: Skoob

Primeiro trecho do livro:
"Uma coisa que eu não poderia tirar da minha cabeça era a ideia daquelas mãos sujas e grosseiras nos meus tênis novos. Uma coisa que não podia tirar do meu coração era essa pedra que roubava toda a alegria que sentia aqui dentro."

Depois da morte do seu irmão, Lolly quer sentir a raiva, a tristeza profunda, a dor de perder sua melhor parte. A sensação que ele sente dentro dele precisa ser intensificada, consumida, vivida. E é o que mais me dói. Ver esse sentimento em uma criança que perdeu o irmão para a violência e ver os pensamentos dele sobre tantas outras coisas. Como é o primeiro natal sem o Jeraime, ele não queria festas, comidas, presentes, nem ver ninguém. Só desejava ter o irmão de volta. A única coisa que o conforta são seus Legos. As peças que ele coleciona e monta em seus respectivos brinquedos. Ele tem vários deles montados no mais minucioso detalhe. É o que lhe distrai, o que motiva, o que o anima. Seu momento de fuga do mundo é quando ele se perde diante dos Legos.

"- Se você só se arrisca a fazer aquilo que todo mundo já faz, nunca vai fazer uma coisa nova."

É por essa paixão que ele tem pelos Legos que a namorada da sua mãe lhe dá um saco imenso cheio deles, mas muitos mesmo. É aí que ele começa a criar sua cidade. Harmore, a cidade imaginária, habitada por seres perigosos mas que também tem seus heróis. Neste cenário ele acaba se aproximando de Big Rose, uma aluna calada e sem amigos que participava da mesma aula extraclasse comunitária. Além de seu amigo Vega, Lolly andava com outros colegas e a gente se pega sentado entre eles enquanto debatem se um dia irão fazer parte de uma gangue ou não, uma conversa muito comum entre eles. 

"Gosto muito de fazer as coisas do meu jeito pra me juntar. Se você está em uma gngue, tem que fazer o que eles dizem, e eu não faço o que os outros dizem. A menos que seja a mamãe. Ou Yvonne."

adaptação literária

É mais complicado ainda quando seu irmão fazia parte de uma. Ou quando o primo do seu melhor amigo também está envolvido nisso. Onde quer que eles vão, há alguém de alguma gangue dando avisos ou ameaças. Ruas pelas quais não podem andar, bens materiais que é arriscado carregar porque eles roubam. Lembram de Todo mundo odeia o Chris e o carinha que vivia pedindo um dólar toda vez? É assim, só que pior. Eu não vivo lá nem conheço o suficiente para ter propriedade de me aprofundar no assunto, mas são vidas de crianças que acabam corrompidas pela violência, expostos à desigualdade e ao preconceito. Vidas que importam, que deveriam importar. 


"- Ele não vai voltar Lolly - o sr. Ali disse antes que eu saísse. Ele falou com muita calma. - Você precisa aceitar isso. Pode soar cruel, sangue-frio, mas nunca mais vai ver Jermaine novamente. Pelo menos não nesta vida."


O livro é uma mistura de revolta com o que vemos de errado por aí e de doçura na forma como o autor apresenta a vida do nosso pequeno Lolly. A inocência em corações tão jovens sendo ameaçadas a cada esquina. A luta diária para se livrar ou esquecer da dor da perda, de tentar cada dia se manter bem mesmo quando tudo parece ter desmoronado, como um castelo de Legos se espalhando pelo chão. Os personagens nos encantam e a história é linda demais! Nos faz abrir os olhos e tentar pensar como essas crianças enxergam e pelo que passam vivendo tão a margem da sociedade. O medo, os conflitos e a esperança de não ser apenas mais um que a vida eliminaria com uma bala. O desejo de tomar um rumo diferente do que a maioria deles irá tomar. 


"Desde então aprendi a coisa mais importante: as decisões que você toma podem se tornar a sua vida. Você é as suas escolhas."



É um livro que merece ser lido, apreciado, recomendado. E teremos filme em breve. A adaptação será dirigida por Michel B. Jordan e eu já quero pra ontem! A capa do livro é linda, foi mantida a original e a diagramação está impecável. Deu super vontade de me encher de Legos e criar minha própria cidade também, mas pra isso precisaria de espaço! hehehehe Eu indico MUITO a leitura da obra! Com certeza não irão se arrepender! ❤

    


Você Deve Gostar Disto:

1 comentários

  1. Com certeza esse deve ser aquele tipo de história que nos marca e nos faz carregar para a vida algo de positivo. Fiquei mega com vontade de ler.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir

Translate

Garotos são bem-vindos!